Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Coletânea de Poemas e Ensaios V

Um pequeno lamento

 

Mais um dia se passou

A água caiu o sol se abriu a tormenta venceu

As nuvem foram embora o calor aumentou e sentiu o barulho do seu coração,

Junto com ele vem o cheiro da mata, o derramar da cascata, escorrendo pelo chão.

Que dia é este que veio assim tão docemente e pega a gente tristemente sem pode olhar o céu.

Tem dias que olhar para o alto fica difícil, pois ali por mais que seja possível, não se vê nada só o chão.

Chão argiloso de barro sanguinolento, que suja o caboclo desatento que ali passa levado pelo vento. Só desalento!

Caboclo esse que não tem nada, apenas uma casinha na estrada e um pequeno carro de boi.

Passa um passa dois e sozinho na estrada vem andando sofredor.

«Que Deus quer comigo, sou um pobre em desatino sofrendo por amor".

Já não bastava ter perdido a Rosinha, agora perco a rocinha por causa de um tremor.

Tremeu a Terra variando em febre e as pernas cansadas ficavam paradas diante do horror.

Caboclo olha de novo e em seu rosto marcados pela dor,sem nada, sem esperança,fala da mocidade e da criança a única que lhe sobrou!

"É moço a coisa é difíci mas pra esse menino Deus há de oiá.

Tem que ter estudo pra essa vida não passá!

Caboclo que vida é esta que morre muié e deixa o fio pra eu criá.

Deus eu crio, mas jura pra mim que nunca mais vai deixá fartá.

Pra esse menino não quero muito,somente o Senhor pra lhe ajudá.

Pra mim passa um passa dois passa sozinho,mas pro meu menino manda um anjinho.

Juro meu Deus que nesta lida ainda lhe pago,mas não deixe lhe fartá comida,como foi comigo e a Rosinha lá no nosso arraiá.Protege ele e este home cansado de tanto trabaiá.

Protege os meus irmão tomem,porque como nóis pobre e sofredor , só seu fio o Redentor".

 

Tempo

 

Hora de chegar hora de partir

Hora de parar e refletir

São horas evidentes

Não adianta nadar contra correntes

Fortes nos derrubam, fracas nos sujam

Inteligência é fundamental

Quando a água passar ao contrário é fenomenal

Levam com força total

Esperar o momento certo e derradeiro

Envolve e fortalece por inteiro

Para o ponteiro

Tempo é um mistério irreverente

Coloca flechas na gente

Dói como uma rosa com espinhos

Linda, mas dolorida

Pois os espinhos são defeitos de nascença

Primeiro espinham o próprio ramo

Ou é muito tarde ou é muito cedo

Discriminatório e arrebatador para muitos

Para mim é irrelevante

Certo, mas corrediço e distante

Faço os maus tempos com os tempos meus

Faço os bons tempos com os tempos seus

O meu é único, diferente do tempo de Deus

O relógio não conta, apenas conta

A idade certa é aquela que desconcerta

Vai-se tudo, vamos nós

Sem direção, mas em busca da verdade

Cala e fica.

Solenemente e sem pressa desafiando tudo

Corre o mundo

De repente o que era para a

Vira-se para quem!

Eu e mais ninguém

 

Vida

 

Hoje nem vi anoitecer,de repente escureceu

Minhas lembranças passam como nuvens, e vão esmaecendo e esfumaçando como a chegada antecipada de um temporal.

O vento sopra, espalhando consigo um cheiro de terra a ser molhada

E tudo vai.

Vai o pensamento desencontrado

O sentimento desesperado

A ilusão infinita

A esperança indeterminada de não sei o que!

E tudo vai, e tudo passa.

É um turbilhão de idéias desenvolvido e não acabado.

Eu sou de uma determinação intolerável

Quem me dera poder ser aquilo que não sou.

O que não sou me determinaria tolerante

Mas eu não me tolero por que eu

Não quero o mais fácil, quero o impossível

O incalculado, o insensato o indesejado

Uma suave loucura!

Altares e bruxas

Caldeirões e poções, encantamento

Encanta-me por que quero encantar

Bebe-me por que sou a seiva da vida

Escorrendo no canto de sua boca

E canto o meu,canto e canto

O meu cantar é soturno desafiador, irreverente

Calendoscópico e imaculado

Puramente inocente

Transformador e infernal

Exijo de tudo um pouco, nada esqueço para trás

Se deixar,

Sugo até o fim, sua seiva vital, fortaleço-me

Você morre, eu vivo

Não está certo,como sempre errei

Vive-me! que

Viver-te-ei

 

Cópia

 

O que queremos fazer deste corte

Dividir e fazer uma cópia

Dobra-se ao meio, escolha a metade

Qual a melhor metade?

A da direita ou o da esquerda?

Há órgãos vitais, estes não!

Qual deles o da direita ou da esquerda?

Coração não é totalmente esquerdo

Esquerdamente centralizado para a direita

Cerebral é todo interior vital

Qual a pior metade?

A alma não vale por que não se corta e nem se copia

Talvez o avesso,

O avesso é uma cópia interior, não sei se interessa

Mais interessante seria de ponta cabeça

É, mas nem todo mundo dá cambalhota

Olhe bem, a sua metade não é igual à outra também

Então não dá para copiar e nem cortar

Como não dá para copiar se somos uma cópia?

Só dá para cortar, é cortando que se divide

Dobre a língua

Nem todo mundo consegue!

Nossa! Esta é órgão vital

Qual é a solução?

Simplesmente,vire-se para os seus

Preste bem atenção

Tem que ser completo

Pelo avesso, invertido,com alma,de ponta cabeça

Colado e copiado, então revirado

Assim cortando e copiando

Juntando os pedaços, os meus com os seus

Conseguiremos montar um homem a

Imagem e semelhança de Deus

 

Lágrimas.

 

Eis que vem o pranto de repente e molhando e escorrendo pela face.

Um prato tardio, inconformado logicamente sacrificado.

Uma reação normal, orgânica, fisiológica.

Lagrimas.

Sabor de dor e de alegria depende do dia.

Lágrimas.

Lacrimejando com paixão, lamento nobre, invasão

Invadida quero estar pela reação normal dos sentimentos

Apaixonadamente nobres

Através de palavras gestos ou omissões, sem sentidos

Lágrimas.

Descarregam sentimentos aliando a alma, silenciosamente ardente

Lindas como gotas de orvalho, ou sereno tardio.

Instantaneamente invade e descontroladamente dilacera ou encanta

A minha beleza tem lágrimas.

Como acho belo o choro.

Embelezar com lágrimas é mais que bonito

Humanamente encantador

Nunca lamente o choramingar

Como uma criança que tem fome, sede, ou frio

Desde cedo aprendemos nos expressar.

Quando adultos doloridos e sentidos

Não há expressão mais enfática.

No entanto não se acostume a ele,

Pois tudo que é demais derrama perde o valor

E deixa piegas a face mais nobre do amor.

Lágrimas

Eternas companheiras desafiadoras e às vezes descontroladas,

Aparecem e sem perceber desatinadas

Lágrimas.

 

Rosana Bonsi Theodoro

Dentista e bacharel em Direito, voluntária internacional.

Apaixonada por pessoas que gostam de pessoas.