Sites Grátis no Comunidades.net
Coletânea de Poemas e Ensaios I

Beija-flôr

 

E vem chegando...

Meio sorrateiro, disfarçado, como quem não quer nada.

E como sempre, ele entra e exige tudo!

Quer que trabalhemos até romper o dia e a barreira do impossível.

Criatividade, vontade e verdade,

Sonhar, e realizar com personalidade!

Adeus erros do passado!

E rir, rir muito, ser irreverente, desarmado

Renovação, crescimento

Em 2008 quero um beija-flor

Vou adocicá-lo

Sentí-lo por inteiro!

Quero enlouquecer, dançar ao vento e viver um amor comigo mesma.

Rejuvenescendo a alma, embelezamos o corpo.

Encantar, tratar bem, ajudar.....amar

Que ano lindo que há de vir!

Cheio de surpresas e superações.

Submeter-me ao belo, que me comove e encanta.

Que bom, estou viva! saúde!

Alegre realizada, mas inconformada, curiosa,

Quero poesia, música e pintura!A arte enfim,

Loucamente sadia, emocionada

2008 eu estou lhe esperando. Maravilhoso, diferente, ardente.

Espero-lhe, não foge-se do tempo

Vive-se.

 

Publicado no Recanto das Letras em 29/12/2007

Código do texto: T795530

 

Meu ofício

 

Que sentimento é este que por intenso,

Desesperado e ininterrupto.

Nos sobrecarrega nos pune e nos dilacera.

Que sentimento é este que gera dores no corpo

E, a alma invade com tal dimensão

Que nos destrói por fora e constrói por dentro

Ah! maravilhosa,

Que Deus a bendiga

Que volte sempre a me desconfigurar

Remexer e que nessa troca me transforme cada vez mais, mais ainda mais

Bendito seja o dia que eu possa

Estar 24 horas por dia ungida nessa inspiração

.Estarei linda, intensa, lírica e poética.

Eu não vou querer mais dormir.

Vou querer sentir, fazer, desfazer, viver!

Amar, incessantemente, delírio excepcional.

Que isto me invada e nunca nunca...mais me abandone. Que felicidade é essa que me impregna, me consome.

O tempo passa, eu vou sentido tudo.

Como se vive sem o ar que se respira?

Pouco me importa o futuro, quero o que há agora...

Vivo o meu viver.

Deixe a dor para quem sente !

Eu, simplesmente não paro!

Só pararei quando não mais amar.

 

Coração Valente

 

Eu poderia ser

Mas ser não importa

Porque eu penso.

Mas eu penso que

Poderia ser o que quiser

Porque falo como quiser

Mas eu penso o que quiser desigualmente.

Tudo poderia ser,

Mas meu falar é diferente

Meu grito é surdo

O sentimento bravio, escancarado

Eu não faço a menor falta!

Faço tudo na vida

Só não peço esmolas

De jeito nenhum!

Mas eu penso que para ser como eu

Pode ser qualquer um, desde

Que pense demais

Apiedar-se de si jamais

Pensar absoluto

Afinadíssimo

O pensar exige sincronismo

Com aquilo que sente-se

Um sentimento áspero.

Teria que ser forte

Nunca implorar,

Desesperamente real e leal

Jamais lacrimejar piegas

Sem dó nem piedadade

Absolutamente dolorido

Agüenta-se, enfrenta-se e determina-se

Tolera-se

 

Cravo bem temperado

 

Como prefere o seu cravo

Numa revolução em Portugal.

Uma especiaria da Índia.

Um instrumento musical medieval.

Um instrumento de tortura, como em Jesus.

Uma espécie de flor na lapela.

Sabor acrescentado,

Cheiroso!

Escolha o bem temperado, é maravilhoso!

Parece simples mas não é.

Tem que haver mão, precisão no toque.

Dos seis sentidos:

Tato, olfato, paladar, visão, audição e;

A quarta dimensão.

É preciso vocação, predestinação

Técnica e inspiração.

Elegância no trato e no prato!

Aceite humildemente uma sugestão?

A vida é feita de amores, mas também

De vários sabores!

 

P.S Eu acho que você gostaria o "Cravo bem temperado de J.S Bach!

Eu, daria tudo por um doce. Um beijinho de coco, temperado com um cravo!

Recanto das Letras em 29/12/2007

Código do texto: T795513

 

A arte

 

O que eu represento?

O gosto amargo do imprevisível

A sensação determinada de quem não desiste.

O desatino abrangente

O trabalho árduo que não descansa

Uma mente flamejante que queima sem parar

Um verdadeiro espírito errante desafortunado

Sensível e envergonhado

Eu nada exijo,

Nada procuro

Tudo me encontra

Sem cadês, nem porquês

A resposta está na pergunta

Destinação e consentimento

Abrasão e corrosão de uma alma

A impossibilidade, nunca é possível

A cada um cabe o seu quinhão

A mim coube cuidar de vocês:

Miseráveis amores

Indigentes inclementes

Morte e abandono!

De cicatrizar a ferida que arde

Cruel e enfática

A calamitosa e dura arte!

Agradeço, mil vezes

Escolheram-me de fato

Para eu ficar com a melhor parte!

 

Publicado no Recanto das Letras em 02/01/2008

Código do texto: T800162

 

Raiva

 

Existem algumas coisas que já nascem cheias de raiva

O figo da Índia tem um sabor magnífico

Mas cuidado ele, nos craveja de espinhos.

É impossível de pegá-lo, sem se machucar.

Mas com determinação e jeito podemos comer o sua polpa e se tomar o seu suco:

Néctar de mãe raivosa.

A rosa é linda, mas cobre-se de espinhos,

Deve-lhe doer primeiro, porque antes de tudo espeta a sua própria carne.

Mas podemos fazer dela arranjos maravilhosos.

O vermelho é uma cor que se expressa.

Só usa quem sente, e de personalidade ardente

Mas se misturarmos com branco,

Vamos conseguir um rosa suavemente.

Então o nascimento com raiva, é espetacular!

Cria-se densidade, autodefesa

Melhora ao misturar-se com tudo

Com jeitinho oferece a melhor parte

Raiva boa, que enriquece.

E quando menos se espera

Tudo aquilo que era espinhos e dor

Não era raiva.

Era só amor!

 

Publicado no Recanto das Letras em 01/01/2008

Código do texto: T798651

 

Talento e Vocação

 

Abro a minha janela que,é de peroba rosa,

Extinta no Brasil.

Ela emoldura a paisagem, límpida e fresca

Como o sol ao amanhecer

Fico sentada bem cedinho observando os pássaros,

O farfalhar dos ramos das árvores.

Calada e austera,

Tal é meu respeito,pelo espetáculo que está para acontecer.

Quem nos dera poder nascer e renascer nesse esplendor, por inteiro, sem nenhuma mácula.

Eu não receio nada, nem a solidão, nem o escuro, nem a chuva com tempestades.

Receio a falta de inspiração.

Hoje tenho a infância mais presente do que quando ela decorria.

Só sinto pena, penso que é verdadeiramente imoral o fato de nascermos em direção a mortalidade.

Quem sente a arte entende a inspiração.

É algo maravilhoso mas estranhamente grotesco,

Que nos toma por inteiro,nos comanda e nos leva.

Um sentimento de tal amplitude,

Tão profundo que o" ser" desaparece,o" eu" se modifica,

transfigurando-nos fisicamente

Não há o que fazer. Aceita-se.

Talento e vocação, deveriam andar de mãos dadas,

mas nem sempre é assim.

Quem tem vocação e não talento, é a mesma coisa de ir sem ser chamado.

Quem tem o talento e não tem a vocação, o trabalho fica preguiçoso, é ser chamado e não saber para aonde ir.

Mas há os privilegiados que tem os dois: talento e vocação.

Ou seja a completa inspiração.

A esses chamamos de imortais.

 

Publicado no Recanto das Letras em 29/12/2007

Código do texto: T795538

 

Superlativo

 

Ultrapassam qualquer entendimento, mesmo os mínimos pensamentos

Como se submeter a um superlativo

A pequenez se agiganta diante do excepcional, belo e irretocável

No extraordinariamente simples encontra-se o que é mais complicado.

Num simples gesto, jeito de olhar, no ser ele...

Simples amor, amantíssimo

Complexo olhar, amabilíssimo

Superlativo absoluto imaterial de todas as coisas

Alma, livre e solta serena e suave

Deus, o encontro do mínimo com o máximo

Estranhamente suor e sacrifício

Suada, em eterna devoção à luz, como lágrima de Maria ao nascer Jesus!

Dar a luz, no ato de parir e mostrar o caminho. Cristo!

Sacrifício, da Cruz, O Nazareno!

Maravilhosamente exagerado, estupendo, fenomenal.

Desculpem-me a fome a miséria a solidão e o terror

Terrificante é não ver a sua ordem em todas as coisas

Portanto leva-me Pai!

Tu me ensinaste amá-lo, mais do que a mim mesma

Mais do que minha família, leva-me.

Molda-me com o teu barro,

Amalga-me.

 

Publicado no Recanto das Letras em 28/12/2007

Código do texto: T794309

 

Amor incondicional

 

Não existe nada mais belo e intenso do que o amor!

Quem ama de verdade, não é vaidoso, é humilde, e despreconceituoso!

O amor não tem idade, religião...

Amor não é sexo, é união!

Capaz de transformar mentes e nações!

Ame com a absoluta certeza de que o melhor jeito de amar é:

Sem cobranças, ou retorno

Sentir por sentir...

Viver num delírio manso

Que não se acaba, devaneia

E de tão grande, contamina as pessoas.

É um vírus ao qual não se fabricam vacinas

Mas muitas vezes a gente morre por ele e por causa dele!

Amor humano, fraterno universal!

Temos que nos comprometer, engajar, tomar partido!

Somente devemos ter cuidado para

Cuidar e deixar-se cuidar.

Dar e sem nada pedir.

Aprender a ouvir sem reclamar.

Amar por amar!

 

Publicado no Recanto das Letras em 27/12/2007

Código do texto: T793431

 

A flecha

 

Distante de todas as minhas amarras. A liberdade me atingiu por inteira.

Que sentimento estranho que nos pega de sobressalto e faz sonhar.

Sonhar de maneira racional, veloz e arrasadoura. Isto não pode ser liberdade!

Fazer isto, ou aquilo não é liberdade, é escolha

A inação não é liberdade é omissão!

Então, o que se fazer com algo que, não se pode usar.

Nós já nascemos comprometidos com a flecha e o seu alvo, e quanto mais livres formos mais comprometidos ficamos.

A flecha ao atingir o alvo deixa uma sombra!

Agora somos responsáveis pela flecha, o alvo e a sombra.

Quem se importa, tem opiniões e se engaja.

Não existe liberdade simplesmente. Há formador de opinião.

Não existe liberdade simplesmente. Há execução, formação.

Não existe liberdade simplesmente. Há um ideal de produção.

Não existe liberdade simplesmente. Há que se fazer o pão!

Não existe liberdade simplesmente. Há que se ter um compromisso com o irmão!

Então a flecha para atingir o alvo, se compromete pela sombra, que é o reflexo: da opinião, da formação, da produção, do pão e principalmente do irmão.

Portanto, amarre-se na nas asas da liberdade!

Eis o verdadeiro espírito Cristão.

 

Publicado no Recanto das Letras em 28/12/2007

Código do texto: T794307

 

Rosana Bonsi Theodoro

Dentista e bacharel em Direito, voluntária internacional.

Apaixonada por pessoas que gostam de pessoas.